Joice Maria da Glória Rodrigues, de 25 anos, foi estrangulada com uma camisa e concretada debaixo de uma escada, em 2021. Jovem, que fará uma festa no local, contou que ficou receosa em relação ao espaço.

Uma estudante revelou sentir “medinho” por comemorar o aniversário no imóvel em que uma jovem foi morta e concretada na parede em São Vicente, no litoral de São Paulo. O assassinato de Joice Maria da Glória Rodrigues ganhou repercussão nacional e os autores do crime foram presos.

A vítima foi dada como desaparecida em setembro de 2021 após ter saído de casa dizendo que visitaria o avô. O autônomo Jonathas Soares de Santana, de 37, e o pedreiro Edmilson Veríssimo da Silva, de 56, foram condenados a quase 30 anos de prisão pela morte da jovem (leia mais abaixo).

A aniversariante, que preferiu não ser identificada, explicou que escolheu a casa de eventos por ser perto de onde mora. Ela, inclusive, estava na rua do local quando o corpo de Joice foi encontrado e contou que os vizinhos ficaram “apavorados”.

“Foi muito chocante […]. Na época do ocorrido,eu falei que jamais entraria nessa casa, por nada nesse mundo. Nas primeiras semanas [depois de Joice ser encontrada], eu fiquei com receio até de passar na calçada”, lembrou ela.
Festa
Como já vai completar três anos do crime, a estudante disse que o tempo fez com que não se importasse de passar próximo ao local e, inclusive, entrar para comemorar o aniversário.

Ela acrescentou ainda que os amigos também moram nas proximidades e não se incomodaram na escolha da casa de eventos. Como todos já sabem, a jovem contou que escutou algumas brincadeiras sobre a situação.

‘Você vai estar na piscina, vão puxar o seu pé. Você vai no banheiro e a moça vai estar lá’. Essas coisas assim que dão um medinho […]. Mas, eu acredito que Deus é mais. Ela deve estar em um bom lugar e que nada de ruim possa acontecer na minha festa por conta desse ocorrido”, finalizou.

O caso

A jovem desapareceu em 27 de setembro de 2021. Na ocasião, a irmã dela registrou um boletim de ocorrência de desaparecimento de pessoa, informando que ela tinha ido até a casa do avô, e que fez contato pela última vez com o esposo, avisando que estava retornando para casa.
De acordo com a polícia, ela passou na obra no bairro Esplanada dos Barreiros, em São Vicente. Joice teria ido encontrar o pedreiro Edmilson.
A obra era uma construção de uma casa de eventos. Os policiais questionaram os funcionários. Em um primeiro momento, o pedreiro confirmou que a jovem havia passado no local, mas negou que sabia algo do desaparecimento.
Em depoimento à polícia, o pedreiro disse que conhece a jovem há seis anos, e alegou que pagava para se encontrar com ela.
Em 5 de outubro de 2021, o proprietário do estabelecimento, que não estava envolvido no crime, foi questionado pela polícia sobre áreas recém-concretadas ou frescas existentes na obra. Desconfiado da situação, ele descobriu o local em que o corpo estava.
Após o encontro do cadáver, o pedreiro foi preso e confessou que participou do crime. Ele alegou que havia usado drogas e mantido relações sexuais com a jovem, que depois ficou com o autônomo Jonathas.
O pedreiro contou que estava no segundo piso da obra, quando o autônomo e a mulher começaram a discutir. No interrogatório, Edmilson disse ainda ter descido para ajudar o outro homem a matar Joice, que foi estrangulada com uma camiseta.
O autônomo, por sua vez, também foi preso. Entretanto, negou envolvimento no crime.
Os dois esconderam o corpo da jovem embaixo da escada e concretaram por cima, escondendo o cadáver.
Em abril de 2023, Jonathas foi condenado a 29 anos e dez meses de prisão pela morte de Joice.
Em novembro de 2023, foi a vez de Edmilson ser julgado. Ele foi condenado a 27 anos e 10 meses de prisão pela morte de prisão pela morte da jovem.
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *