Diante da retração do mercado interno brasileiro, a alta do dólar, a catástrofe no Rio Grande do Sul, perda de produções inteiras com geada nos últimos dois anos e a ausência de linhas de crédito para os produtores rurais, um homem trouxe uma solução que salvou milhares de fazendas em todo Brasil. Leandro Monteiro, empresário e dono de uma das maiores empresas de exportação do Brasil para o mundo árabe, tem salvado produções inteiras.

O Grupo Leandro Monteiro investe em diversos seguimentos com: energia solar, materiais hospitalares, construção civil, tecnologia e alimentos. A Lion International, uma de suas empresas focada em Dubai e mundo árabe, abastece 22 países árabes com alimentos e bebidas predominantemente do Brasil.

Diante das dificuldades que o Brasil enfrenta e a expansão das atividades nos países árabes, Leandro Monteiro tem comprado produções inteiras de fazendas brasileiras com a finalidade de exportação. Algumas o empresário chega a arrendar a terra para garantir a qualidade e a produção de safras futuras.

O empresário tem comprado produções que ainda nem foram plantadas para garantir a safra e o preço, uma vez que sua empresa alimenta 22 países. Em Dubai seu centro de distribuição é um dos maiores e mais modernos do mundo. A Lion International vem ganhando credibilidade no mercado internacional ao garantir fornecimento de alimentos e bebidas antes dos prazos contratuais e aumento da qualidade, coisa que Leandro Monteiro não abre mão.

Um dos grandes desafios é na industrialização desses produtos no Brasil. Como as embalagens são de má qualidade, Leandro Monteiro tem que formatar o produto do zero para fazer adequação de embalagens em alto padrão para que os produtos brasileiros sejam aceitos nos 22 países árabes, principalmente em Dubai e Arábia Saudita, onde o nível de exigência é maior.

Dessa forma as vendas no mundo árabe aumentam a cada dia e mais fazendas no Brasil são agraciadas pelo trabalho do Grupo Leandro Monteiro que compra tudo que está sendo produzido, mantendo empregos em milhares de pequenos e médios produtores rurais. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *