Antes do início, grupo estava em empresa do coach Pablo Marçal. Empresário afirma que se tratou de “treino espontâneo” e que homem foi socorrido.

A Polícia Civil investiga a morte de Bruno Teixeira, 26 anos, que morreu após um mal súbito durante uma corrida. A vítima teria aceitado correr um percurso de 21 quilômetros, mas o trajeto foi ampliado para 42 km.

O caso aconteceu em 5 de junho quando Bruno saiu para uma corrida da Plataforma Internacional, empresa do coach Pablo Marçal. Em um vídeo postado em suas redes, ele chegou a postar um vídeo dizendo, em tom de brincadeira, “onde eu fui me enfiar?”, ao explicar que o trecho da corrida tinha sido duplicado. No mesmo dia, o coach tinha publicado em suas redes o mesmo desafio. (Leia mais abaixo)

Segundo o boletim de ocorrência, durante a corrida, Bruno teve um mal súbito, desmaiou e foi levado para o Hospital Albert Einstein em um carro particular. Ele chegou à unidade com parada cardíaca. Os médicos tentaram reanimá-lo por cerca de 1 hora, sem sucesso.

O caso foi registrado como morte suspeita pelo 2º Distrito Policial de Barueri, como é praxe nesses casos. O advogado de Pablo Marçal, Tássio Renam Souza Botelho, acompanhou o registro da ocorrência.

Em nota, Marçal disse que o grupo agendou o ponto de encontro na empresa para deixar os pertences e que a corrida foi um “treino espontâneo”. A maioria dos participantes, afirma o coach, correu até 21 quilômetros, e não os 42. Marçal diz ainda que Bruno praticava corrida e que o grupo prestou socorro assim que houve o mal súbito.

“Lamentamos essa fatalidade profundamente, pois todos estão sujeitos a uma fatalidade, mas ninguém espera. Não houve manifestação prévia, pelo cuidado de não haver exposição da família e para não reviver uma dor tão difícil de suportar, o que infelizmente não foi possível, já que certas pessoas se utilizaram dessa dor para outros fins”, diz em trecho da nota (veja a íntegra abaixo)

Jovem tinha rotina saudável, diz irmão
Bruno é de Votorantim, no interior de São Paulo. Segundo a família, o jovem chegou há seis meses na capital para trabalhar para a XGrow, empresa de cursos que já pertenceu a Pablo Marçal, da qual recebia pouco mais de um salário mínimo como prestador de serviço. Além disso, fazia transporte por aplicativo para aumentar a renda.

Segundo o irmão, Luciano Teixeira, ele tinha uma vida saudável, fazia atividade física, mas não tinha treinamento para corridas. A família acredita que ele foi incentivado pela coach, que no mesmo dia publicou um vídeo informando que havia saído de casa para correr 21 km, mas que decidiu fazer 42 km. O treinador que acompanhava Marçal nesse vídeo também esteve na corrida com Bruno.

“Meu irmão estava com o treinador, estava com o grupo da empresa [Plataforma] quando isso aconteceu. Não era uma corrida organizada para um percurso tão longo, ele foi socorrido no carro de alguém que estava lá”, comenta o irmão.

A polícia requisitou exames ao Instituto Médico Legal (IML), segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. O prazo para que os laudos fiquem prontos não foi informado.

Quem é Pablo Marçal
Com milhares de seguidores em redes sociais, Pablo Marçal se apresenta como mentor e estrategista digital. Nas últimas eleições, ele chegou a ser lançado candidato à presidência da República pelo PROS, mas a candidatura foi revogada mais à frente.

Segundo as declarações de bens apresentadas ao TSE, à época Marçal tinha um patrimônio de R$ 96,9 milhões – o maior entre todos os candidatos à Presidência.

O empresário acabou concorrendo a uma vaga de deputado federal por São Paulo, foi eleito, mas teve a candidatura revogada pela Justiça Eleitoral.

Desafio no Pico dos Marins terminou em resgate
Em janeiro de 2022 Marçal organizou um desafio para os funcionários que terminou com uma operação de resgate dos bombeiros. Ele subiu o Pico dos Marins – um dos mais altos do estado de São Paulo – com algumas dezenas de pessoas.

O grupo não tinha equipamento, guias suficientes e terminou perdido no local em meio ao mau tempo. Após o caso, Marçal foi proibido por uma decisão da Justiça de fazer expedições em montanhas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *