Conhecido como ‘Gianecchini do crime’, Tiago Tadeu Faria foi preso na capital paulista em 2020 por participar de mega-assaltos no interior. Ele foi condenado a mais de 50 anos. Em 2012, ele invadiu a apuração e rasgou as notas dos jurados no carnaval.

Condenado a mais de 50 anos de prisão por mega-assaltos a bancos no estado de São Paulo, Tiago Ciro Tadeu Faria foi transferido da penitenciária 2 de Presidente Venceslau — conhecida por ser de segurança máxima em SP — para uma unidade do Sistema Prisional Federal.

Tiago ficou conhecido como “Gianecchini do crime”. No carnaval de 2012, ele invadiu a apuração do desfile das escolas de samba de São Paulo e rasgou as notas dos jurados no carnaval. Na época, ele era representante da escola de samba Império de Casa Verde.

A transferência de presídio foi feita em 7 de junho, feriado de Corpus Christi. A informação foi confirmada ao g1 pela Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) nesta terça-feira (13).

A cidade do presídio para o qual Tiago foi levado e o motivo da transferência não foram informados pela SAP. Porém, de modo geral, as penitenciárias federais abrigam presos que não podem ficar nas unidades prisionais dos estados por questões de segurança, por serem considerados mais perigosos.

Segundo o Ministério da Justiça e Segurança Pública, o Sistema Penitenciário Federal “tem finalidade de combater o crime organizado, isolando as lideranças criminosas e os presos de alta periculosidade”.

Atualmente, o Brasil conta com cinco unidades que ficam em Catanduvas (PR), Campo Grande (MS), Porto Velho (RO), Mossoró (RN) e Brasília (DF).

Tiago foi preso em setembro de 2020, oito anos depois do episódio no carnaval de SP. Policiais da delegacia de Roubos a Bancos o prenderam na Zona Norte da capital paulista São Paulo depois que investigações apontaram que ele era um dos líderes da quadrilha responsável por ataques a bancos no interior do estado.

Em junho daquele ano, a polícia havia apreendido cerca de 200 quilos de explosivos no bairro da Casa Verde, em um endereço mantido por Tiago.

“Atuava no núcleo principal. Ele participava do planejamento. Sem dúvidas nenhuma é a principal quadrilha em atividade, já há alguns anos. E, sem dúvida nenhuma, a prisão desse indivíduo vai fazer um grande estrago na estrutura da organização criminosa”, disse o delegado no dia da prisão.
De acordo com a polícia, Tiago atacou com explosivos as agências do Banco do Brasil em Botucatu e Ourinhos, cidades do interior de São Paulo, em maio e julho de 2020.

Ele também foi apontado por atacar agência no Rio Grande do Norte, em 2017, e de explodir uma agência da Caixa Econômica Federal em Bauru, em 2018.

Em 2021, a Justiça Federal condenou Tiago Tadeu Faria pelo ataque à agência bancária da Caixa Econômica Federal ocorrido no dia 5 de setembro de 2018 em Bauru (SP).

Na sentença em primeira instância, a juíza Maria Catarina Souza Martins Fazzio julgou procedente as provas materiais colhidas durante as investigações que comprovaram, por meio de exames de DNA, a presença de Tiago na cena do crime.

O material genético dele foi colhido com autorização judicial em objetos apreendidos em sua cela e comparado com o encontrado em uma touca deixada em um dos veículos abanados pelos criminosos após o assalto em Bauru e em uma bituca de cigarro.

Na época, a defesa do réu negou a participação dele no crime e afirmou que material foi colhido por meio de extorsão praticada por policiais civis que Tiago vinha sofrendo.

No entanto, na sentença, a juíza alegou que não havia correlação entre os fatos. Segundo ela, a denúncia de extorsão teria sido feita posteriormente ao assalto ocorrido em Bauru e contra policiais civis da capital paulista, e o recolhimento das provas do ataque à agência foi realizado pela Polícia Federal, não a Civil.

Em fevereiro de 2022, a Justiça de Botucatu condenou Tiago e outros três réus a penas superiores a 50 anos de prisão.

De acordo com a sentença da juíza Licia Eburneo Izeppe Pena, da 2ª Vara Criminal de Botucatu, Tiago Ciro Tadeu Faria foi condenado a 53 anos, dois meses e dez dias de reclusão, em regime inicial fechado, e pagamento de 82 dias-multa.

Em Botucatu, o ataque a agências envolveu 40 homens em uma madrugada de terror na cidade em julho de 2020. A ação terminou com um homem morto e dois policiais militares feridos (veja os vídeos do crime).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *