Nelson Lemoine atendia no bairro do Morumbi, Zona Sul de São Paulo. Caso foi registrado em 2019.

A 1ª Vara Criminal de São Paulo absolveu o massagista Nelson Lemoine Rodrigues do crime de violação sexual mediante fraude em 28 de fevereiro deste ano. A Polícia Civil de São Paulo investigou o caso em 2019, depois que uma mulher afirmou que Lemoine passou a mão na genitália dela durante uma manobra de massagem.

Na época, Nelson atendia numa clínica no bairro do Morumbi, Zona Sul de São Paulo. Em conversa com o g1, naquele ano, a mulher contou que era cliente da clínica havia um ano e que fazia um tratamento de realinhamento da coluna com outros profissionais do local. No final de abril, Nelson foi designado para atendê-la (leia mais abaixo).

 

“Após a instrução processual, não se produziram provas suficientes para o acolhimento, com a certeza exigida no processo penal, da pretensão penal e consequente responsabilização penal do acusado”, escreveu o juiz.

À Justiça, a mulher contou que conheceu o réu Nelson em janeiro de 2019 por uma amiga em comum e o toque dele teria ocorrido durante um atendimento.

“Não se ignora o relato da vítima, mas seu relato não é corroborado por outros elementos probatórios, ainda que indiretos, que permitissem ao Juízo a formação de sua convicção livre de dúvidas, conforme é exigido em processo de natureza criminal”, completou o juiz.

O que disse a vítima

 

“Eu já conhecia o procedimento e notei que ele fez coisas que não faziam parte. Tem uma manobra em que é colocada a mão no bumbum. Nesse momento ele colocou a mão por dentro da minha calça, passou a mão no bumbum e na minha genitália”, contou ao g1 na época.

A vítima disse que ficou “em choque”. “Eu sabia que aquilo não fazia parte do procedimento, mas na hora a gente fica tão em choque que não sabe o que fazer. Eu não conseguia acreditar que aquilo estava acontecendo”, relatou.

À Justiça, ele afirmou que não elogiou a vítima durante o procedimento de “forma sexualizada”, mas que tinha brincadeiras com os pacientes, “mas nunca de cunho sexual”. Negou ter tocado nas partes íntimas da vítima.

 

Sobre o método Body Allignment, afirmou que era preciso que o paciente desabotoe a calça e deite de barriga para baixo na maca para manusear o sacro e sustentou que “ela pode ter confundido com um abuso sexual”.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *