Paciente é uma mulher, com faixa etária entre 50 e 59 anos, que viajou para a cidade de Aparecida (SP) e já está curada, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

A Secretaria de Saúde de Piracicaba (SP) confirmou o segundo caso de febre chikungunya na cidade neste ano. Segundo a pasta, a confirmação foi feita pelo Instituto Adolfo Lutz de São Paulo, na segunda-feira (5).

A paciente é uma mulher, com faixa etária entre 50 e 59 anos, que viajou para a cidade de Aparecida (SP). O primeiro caso de 2023 foi confirmado em maio, também em uma paciente mulher, com faixa etária entre 60 e 69 anos, que viajou para o estado de Minas Gerais. As duas já estão curadas. Antes destes dois casos, o último registro da doença foi em novembro de 2016, sem registro de morte.

“São dois casos isolados, de pessoas que se infectaram fora da cidade. Já foram realizadas as devidas ações de bloqueio e não há mais nenhum caso da doença em investigação neste momento na cidade. Cabe destacar que os trabalhos de combate ao mosquito aedes, que também é transmissor desta doença, são constantes e acontecem ao longo de todo o ano”, disse Augusto Muzilli Junior, subsecretário de Saúde.

Neste sábado (10), haverá arrastão na região do Vila Cristina, passando por cinco bairros, para recolher inservíveis que seriam possíveis criadouros do mosquito.

Conforme reforça a secretaria, a doença em questão é infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya, que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus (mesmos mosquitos que transmitem a dengue e a febre amarela, respectivamente).

Os principais sintomas são:

Febre acima de 38,5 graus, de início repentino;
Dores intensas nas articulações de pés e mãos – dedos, tornozelos e pulsos;
Dor de cabeça;
Dores nos músculos;
Manchas vermelhas na pele.
Cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas. O início dos sintomas pode levar de dois a dez dias para ocorrer.

A principal diferença entre a dengue e a chikungunya é a dor nas articulações, muito mais intensa na chikungunya, afetando principalmente pés e mãos, geralmente tornozelos e pulsos. Ao contrário do que acontece com a dengue, não existe uma forma hemorrágica da doença e é raro surgirem complicações graves, embora a artrite possa continuar ativa por muito tempo.

Tratamento
Na fase aguda, o tratamento é apenas dos sintomas. Medicamentos para dor e para febre são indicados para aliviar os sintomas. Manter o doente bem hidratado e em repouso são medidas essenciais para a sua recuperação.

Os sintomas, em geral, desaparecem dez dias após seu aparecimento. No entanto, as dores nas articulações podem persistir por meses. Nesses casos, o paciente deve voltar à unidade de saúde para avaliação médica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *