Imagens mostram criminosos abordando vítimas com mochilas semelhantes à de entregadores por aplicativo nos bairros Brooklin e Campo Belo.

Uma quadrilha de motociclistas armados tem assustado moradores da Zona Sul de São Paulo após fazer ‘arrastões’ para roubar celulares de pedestres nos bairros Brooklin e Campo Belo entre maio e junho deste ano. A frequência dos assaltos fez com que vítimas se unissem nas redes sociais para cobrar ações por segurança e impedir mais crimes.

“Jamais imaginei que ia ter uma pistola me esperando na esquina de casa às 17h de um sábado. Foi como se um elevador trouxesse o cara [ladrão] para mim”, diz Demerson Souza, de 24 anos, que sofreu tentativa de roubo no último sábado (2), no Brooklin.

Nas imagens, é possível ver que um grupo caminhava pela rua Quintana às 20h23 do dia 15 de maio, quando um motociclista armado para, aponta a arma e pede o celular.

Quatro dias depois, no dia 19 de maio, um homem que estava com seu animal de estimação foi abordado por motociclistas na rua Indiana por volta das 20h30. No vídeo, é possível ver que os criminosos não levaram nem 30 segundos para roubarem o celular.

“Eu desci para andar com minha cachorra. Atravessei a rua, quando quatro motoqueiros agressivos passaram gritando para dar o celular. Eu estava com a minha mãe no telefone. Eles pegaram e saíram. Então, voltei para dentro do prédio. Minha mãe escutou tudo e ficou bem assustada”, contou a vítima ao g1, que preferiu não ser identificada.

Ainda conforme o morador, momentos depois a sua esposa ligou e informou que o celular foi achado abandonado em uma rua perto de onde foi o assalto.

“Está tendo muito assalto entre as ruas Indiana, Califórnia e rua Nova York. Estou assustado. Tenho bebê de 9 meses e não vou sair com ela na rua de jeito nenhum”, enfatizou.
Outro vídeo mostra um homem sendo rendido por quatro motociclistas na rua Álvaro Rodrigues, por volta das 21h20, no dia 1º de junho. Nas imagens, a vítima chega a ser cercada pelos ladrões.

Segundo a reportagem apurou, uma hora antes houve uma tentativa e um roubo entre as ruas Comendador Eduardo Saccab e Demóstenes, Campo Belo. Um motociclista armado roubou o celular de um pedestre às 20h30. Uma mulher chegou a ser abordada também, mas como estava sem o aparelho, não foi roubada.

Em abril, dois motociclistas renderam duas pessoas na rua Meteoro. O vídeo mostra o momento que os criminosos abordam as vítimas, que voltavam de uma caminhada às 20h40.

‘Cena de filme de terror’
Um morador do Brooklin, que prefere não se identificar, contou que foi roubado no dia 1º de junho voltando para casa na rua Luisiana por volta das 21h.

“Ele já chegou pedindo o celular e ficou com a arma apontada durante toda a ação, falando para não reagir. Não abaixou a arma em momento nenhum. Eu estava tão desesperado com a situação, que eu achei que ele queria a mochila, aí ele falou que não queria a mochila. Está muito recorrente e bem perigoso andar pelo bairro”.

“Está parecendo cena de filme de terror. Tive que mudar toda a minha rotina depois do que aconteceu comigo”.

No dia seguinte, mais um pedestre abordado. A vítima, Demerson Souza, foi rendida por um motociclista na esquina da rua Kansas com a Nova York por volta das 17h.

“Estava com sacola de padaria, voltando depois da academia. Minha sorte é que não levo o celular para treinar e só tinha o meu cartão de crédito que ofereci na hora com medo dele ficar bravo que estava sem celular, mas ele não quis. Ele deu meia volta e foi assaltar uma menina que provavelmente saía do serviço e ia para a Santo Amaro pegar um ônibus”

“Eu ando pelo bairro sempre a pé de dia, tarde, noite. Realmente acreditava que era seguro e que roubos eram raros por aqui. Enfim, mas parece que eu só tive muita sorte porque pelo que vi está rolando o tempo todo agora. Estou pensando se continuo minha rotina com essas coisas”.
Isabela Ribeiro, de 21 anos, conta que foi agredida durante um assalto em novembro do ano passado na rua Nova York.

“O meu assalto foi muito traumatizante. Me assaltaram no hall de um dos condomínios mais luxuosos do bairro. Eu já estava quase na porta giratória. Foram três motos no total, sendo seis caras. Dois em uma moto me perseguiram até a entrada do condomínio, e levaram um computador e dois celulares. Me bateram e jogaram no chão”.

“Eu tenho medo de sair até hoje. Estou em São Paulo há 1 ano e alguns meses. Mudei de bairro há duas semanas porque estava impossível. Mas não saio mais durante a noite. Evito quase sempre”.

Ações por segurança
Ana Maria Kemp de Freitas administra um perfil no Instagram com dicas de lazer para moradores do Brooklin. Mas recentemente a página foi tomada por relatos de assaltos, o que fez com que ela decidisse se unir com outros moradores para cobrar ações.

“Moro desde 2008 no Brooklin. Tenho o canal ‘Brooklin Indica’ faz um tempo, mas atualmente tenho usado ele para ajudar as pessoas na visibilidade deste assunto. Muitas me pedem ajuda diária. Comecei a participar do Conseg desde início do ano justamente para relatar os assaltos”.

“Sábado (2) fizeram [roubos] ao mesmo tempo nas ruas Indiana, Califórnia, Lusiania e Kansas. Não tem mais horário. É o dia todo”. Estou com muito medo de verdade e, por isso, estou mobilizando o bairro para nos unirmos”, ressalta.
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *