Osil Vicente Guedes, de 49 anos, morreu após ser violentamente espancado em Guarujá. Velório e enterro acontecem na manhã desta terça-feira (9), na mesma cidade.

O corpo de Osil Vicente Guedes, de 49 anos, que morreu após ser brutalmente agredido e vítima de notícias falsas sobre ter roubado uma moto, é velado na manhã desta terça-feira (9), no Cemitério da Consolação, em Guarujá, no litoral de São Paulo.

A cerimônia começou por volta das 8h, com a presença de amigos e familiares. O enterro está marcado para às 10h30, no mesmo local.

“Meu coração está arrasado, não tenho palavras. Ele era um pai de família, trabalhador. Tinha três filhos, um morava com ele. O mais velho mora em Recife e a menina do meio mora com a mãe. A família quer a verdade, que seja punido quem fez isso”, disse o irmão de Osil, que prefere não ser identificado, durante o velório.

Entenda o caso
A vítima foi linchada por um grupo de pessoas entre a Rua Tambaú e a Avenida Oswaldo Cruz, em Vicente de Carvalho, em Guarujá, na tarde do dia 3 de maio. Testemunhas relataram à PM que gritos de “pega ladrão” foram direcionados a Osil. Um motorista flagrou o momento das agressões 

O dono do veículo informou à Polícia Militar ter emprestado a motocicleta para Osil antes das agressões acontecerem. Segundo o homem, ele era uma pessoa “trabalhadora” e que “não se metia em confusão”.

Osil sofreu um traumatismo craniano por conta das agressões. O Hospital Santo Amaro (HSA) informou que o paciente teve uma morte encefálica [parada de todas as funções do cérebro] no dia 6 de maio e a morte foi confirmada no dia seguinte.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP), o caso inicialmente foi registrado como “lesão corporal” no 2º Distrito Policial (DP) de Guarujá, porém, acabou modificado para “homicídio” após a morte de Osil.

O irmão de Osil disse em depoimento aos policiais do 2º DP de Guarujá que a vítima havia ‘tomado uma surra’ a mando da mulher dele um dia antes do linchamento. Ele contou, ainda, ter tido acesso ao celular de Osil e que há uma mensagem de voz dele falando que ele teve uma briga com a esposa, que é psicóloga.

Identificados
Sim, a Polícia Civil identificou três suspeitos de terem agredido Osil. Um deles se apresentou na delegacia e prestou depoimento. O homem disse ser ex-cunhado da mulher de Osil negou ter dado ‘paulada’ ou espancado a vítima.

Ele não teve a identidade divulgada e, conforme apurado, foi reconhecido pela Polícia Civil com base nos vídeo em que a vítima aparece sendo linchada. Ele foi liberado por não ter tido flagrante.

Osil
Osil Vicente Guedes, de 49 anos, não tinha antecedentes criminais, era dono de uma empresa de reciclagem no bairro Vila Áurea, no distrito de Vicente de Carvalho. A companhia fica a aproximadamente um quilômetro do local onde ele foi linchado. Ele deixou um filho de nove anos de idade.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *