O principal suspeito é um idoso, de 62 anos, que, segundo a Polícia Civil, “estava conhecendo” a vítima Eliana Pereira Neves, de 52 anos.

Professora Eliana Pereira Neves, de 52 anos, foi encontrada carbonizada na zona rural de Regente Feijó

A Polícia Civil confirmou que o corpo encontrado carbonizado no porta-malas de um carro, nesta terça-feira (28), no bairro São Sebastião, conhecido popularmente como “Pito Aceso”, na zona rural de Regente Feijó (SP), é da professora Eliana Pereira Neves, de 52 anos. O principal suspeito de ter matado ela é um idoso, de 62 anos, que, segundo os policiais “estava conhecendo” a vítima.

Ela trabalhou por 31 anos na rede de ensino municipal de Regente Feijó e estava a 21 anos lecionando na Escola Municipal de Ensino Infantil (EMEI) Augusto César Pires. A instituição, inclusive, não teve aulas nesta quarta-feira (29) e emitiu um comunicado informando que “devido ao desaparecimento” de Eliana, as aulas estariam suspensas.

Ela deixa duas filhas.

Escola Municipal de Ensino Infantil (EMEI) Augusto César Pires, de Regente Feijó (SP)

De acordo com as informações da dirigente da Divisão Municipal de Educação (DMEC), Telma Regina dos Santos Silveira, a previsão é de que as aulas retornem normalmente nesta quinta-feira (30) e também já foi disponibilizado apoio psicológico aos funcionários da unidade.

O corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) e passará por exame de DNA para confirmar a identidade da mulher.

Professora foi encontrada carbonizada no porta-malas de carro, em Regente Feijó (SP)

O idoso foi preso por homicídio triplamente qualificado com o uso de fogo, impossibilidade de resistência da vítima e feminicídio, além de ocultação de cadáver. Ele passou por audiência de custódia na manhã desta quinta-feira, onde permaneceu preso, e será encaminhado para o Centro de Detenção Provisório (CDP) de Caiuá (SP).

Professora Eliana Pereira Neves, de 52 anos, foi encontrada carbonizada na zona rural de Regente Feijó (SP)

O caso
Conforme o delegado responsável pelo caso, Airton Roberto Guelfi, a Polícia Militar recebeu um chamado de um produtor rural, no início da noite, alegando que um veículo estava pegando fogo em meio à uma plantação de soja.

Os policiais foram até o local e pela placa do veículo conseguiram identificar que o proprietário era morador de Regente Feijó. A Polícia Civil foi acionada e, enquanto se deslocavam, a PM já havia feito contato com os familiares.

No local, os agentes encontraram alguns familiares e iniciaram uma conversa para tentar entender o que poderia ter acontecido.

“Durante a entrevista, o que chamou a atenção foi um possível envolvimento da proprietária do veículo com um homem de Regente Feijó. Nós identificamos, com os familiares, a residência desse cidadão e, imediatamente, a gente se deslocou até essa residência”, relatou Guelfi.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *