Estima-se que 54% do montante arrecadado para a campanha eleitoral de José Auricchio Jr. é proveniente de ‘doações dissimuladas’

O prefeito de São Caetano do Sul, José Auricchio Jr. (PSDB), o seu vice, Roberto Luiz Vidoski (PSDB), e mais sete pessoas foram denunciadas nesta terça-feira (12) por crimes de caixa 2 e organização criminosa ao TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral). Se condenados, cada um pode levar mais de 30 anos de prisão.

As acusações se referem a campanha eleitoral de 2016 no ABC Paulista. Em investigação iniciada em maio do ano passado, a Procuradoria Regional Eleitoral afirma que apurou a utilização de pessoas físicas para disfarçar a origem dos recursos que financiaram a campanha à prefeitura de São Caetano do Sul.

“Estima-se que 54% do montante arrecadado para a campanha eleitoral é proveniente de doações dissimuladas, o que coloca em xeque a própria legitimidade do pleito de 2016 no município” afirma o texto da denúncia. 

Os crimes teriam sido cometidos por intermédio de organização criminosa em torno da empresa Globo Contábil e do proprietário Eduardo Abrantes. 

Dentre os doadores estava uma pessoa hospitalizada e outra sem condições de financiar campanhas. Esta última é a mesma pessoa identificada como doadora da campanha do vereador paulistano Camilo Cristófaro (PSB), que teve mandato cassado na última semana pela Justiça.

A superintendência aponta ainda “fortes indícios” de que a Justiça Eleitoral foi utilizada para lavagem de dinheiro. Por isso, fez com que a Procuradoria solicitasse instauração de inquérito policial para prosseguimento da investigação desse crime junto à Superintendência da Polícia Federal de São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here